• contato@autismos.com.br

Um texto para a gente refletir a importância das Funções Executivas

Um texto para a gente refletir a importância das Funções Executivas

Um texto para a gente refletir a importância das Funções Executivas.

Vamos pensar a Dama como o Aprendizado?
Ontem meu amiguinho chegou todo animado porque tinha aprendido a jogar Dama, ele tinha tanto foco para fazer a Dama e ganhar o poder de andar muitas casas para comer as peças que ele só conseguia pensar nisso.
Se a gente pensar pelo lado do aprendizado, podemos dizer que não basta aprender, tem que saber o que fazer com o conhecimento.
A área que precisa ser estimulada para que o seu conhecimento seja usado em todas as possibilidades é a Função Executiva.
As funções executivas permitem que você planeje e execute as atividades diárias usando estratégias e recursos para tal realização.
Nesse sentido, é preciso ir além da leitura e dos conceitos matemáticos.
Nós precisamos ser capazes de planejarmos, fazermos uma estratégia, interpretarmos a situação, pensarmos em novas soluções caso seja necessário.
Sabe aquela pessoa que lê muito e até tira notas boas, mas nas situações do dia a dia não tem jogo de cintura para resolver os pequenos problemas diários e muitos deles se tornam grandes problemas?
Então, em parte as funções executivas têm responsabilidade por isso, e é claro que a educação emocional também é importante.
Ficar focado em ganhar o jogo sem pensar nas estratégias te leva ao erro.
Assim como decorar a matéria não é o mesmo que aprender o conteúdo.
Na psicopedagogia vemos isso quase que diariamente, crianças que aprendem, mas não sabem o que fazerem com o aprendizado.
A psicopedagogia não trabalha somente com a dificuldade, nós também ajudamos o indivíduo a potencializar suas habilidades e conhecimentos utilizando recursos de estimulação que permitem vivenciar situações que trabalhem as funções executivas.
Da próxima vez que você for jogar pense nisso: não basta fazer a Dama, você tem que saber o que fazer com o poder que ela te dá.

Renata Batista
Psicopedagoga

autismos