• contato@autismos.com.br

Voluntariado, quem se Habilita?

Voluntariado, quem se Habilita?

VOLUNTARIADO, QUEM SE HABILITA ?
Por Giovani Ferreira

Embora a palavra voluntariado seja um substantivo masculino, não tem nada a ver com sexo, gênero, religião, cor de pele, poder aquisitivo, etc. Muito pelo contrário, todos estão aptos!

Afinal, voluntário é justamente alguém que se dedica a alguma coisa sem ter obrigação de fazê-lo, ponto que nos leva a algumas características dele: é feito sem constrangimento, com a alma livre; é espontâneo, e isso que o torna especial para quem trabalha e para quem desfruta desse trabalho.

Ser voluntário em qualquer causa é algo nobre, pois normalmente a remuneração é um sorriso, é um estômago que já estava vazio há algum tempo, agora estar saciado, é ver a satisfação de um pai e de uma mãe por poder ter uma refeição em família.

Ser voluntário é fazer parte do divino, é se doar sem pensar nas consequências. Muitas vezes, uma pessoa é voluntária para uma missão sabendo que terá problemas, prejuízos, etc. No entanto, ela entende que isso faz parte do trabalho.

A dor, a ingratidão, a solidão e a frustração muitas vezes acompanham o voluntariado, mas talvez seja nesses momentos em que o voluntariado atua de forma mais poderosa entre aqueles que estão juntos por uma causa, uns apoiando os outros. Ou seja, existe a parte linda do voluntariado, mas também existe a parte mais feia. Vamos encontrar pessoas que somente querem aparecer, às vezes, até ganharem votos, satisfazerem seus egos, aliviarem suas consciências… Mas isso não impede que o lado necessitado receba o que precisa receber, e causas e pessoas sejam abençoadas!

Afinal de contas, “FAZER O BEM, FAZ BEM “! Ser voluntario é ser um vencedor! Creio com todas as minhas forças que estamos neste mundo para sermos voluntários uns para com os outros, e o mundo será melhor quando entendermos isso.

Não vai faltar nada para ninguém, pois existe o básico para todos. Se todos partilharmos o que temos, mesmo que seja pouco, não faltará a ninguém.

Você pode pensar que sou um sonhador… CLARO QUE SOU! Pois sou um voluntário de coração e de atitude, mesmo já conhecendo o desgaste que isso traz e não pretendo desistir!

autismos