• contato@autismos.com.br

Arquivo da tag #férias #inclusão #vidas

FÉRIAS CHEGANDO E AÍ…

FÉRIAS CHEGANDO E AÍ…

Gizela Leite

Terapeuta Ocupacional

E as férias vem chegando, uma mudança na rotina de todas as famílias. As mães na desesperam o que fazer com os filhos em casa, já que as atividades escolares foram suspensas.

Então vamos pensar em algumas atividades lúdicas para este período onde toda a família pode brincar e de quebra estimular a interação social, coordenação motora, os sistemas sensoriais e muito mais. A brincadeira em família reforça os laços sociais e os vínculos, quando brincamos estamos simulando algumas situações que no futuro já saberemos resolver.

A brincadeira é o exercício físico mais completo de todos e é através dela que agregamos valores e virtudes à nossa vida. A falta de valorização do brincar contribuiu para a realidade que vivemos hoje: as brincadeiras estão entrando em extinção. Brincar, porém, é um momento “sagrado”.

É através das brincadeiras que as crianças e os adultos ampliam os conhecimentos sobre si, sobre o mundo e sobre tudo que está ao seu redor.

Nestas atividades eles manipulam e exploram os objetos, comunicam-se, desenvolvem suas múltiplas linguagens, organizam seus pensamentos, descobrem regras, tomam decisões, compreendem limites e desenvolvem a socialização e a integração com o grupo. E todo esse aprendizado prepara as crianças para o futuro, onde terão de enfrentar desafios semelhantes àqueles vistos nas brincadeiras.

Então, vamos as dicas para a brincadeira acontecer de uma maneira bem divertida e quem sabe não entre na rotina dos finais de semana.

1. Gelatina divertida: cubos de gelatina colorida e cartolina. Ofereça cubos de gelatina firmes para que a criança “pinte” seu desenho na cartolina. Deixe que a criança explore e experimente os cubos de gelatina antes de utilizá-los para pintar.

Nesta atividade trabalhamos o sistema tátil (consistência e temperatura) visual (cor e forma), discriminação tátil e visual, coordenação motora fina, coordenação visumotora, percepção visual e espacial.

2. Espuma no espelho: espelho, espuma de barbear. Apresente a espuma de barbear para a criança experimentar em sua mão. Ofereça o espelho para limpar a mão. Dê a ideia de passar mais espuma no espelho até impedir a visão da própria. Brinque de esconder sua imagem com a espuma de barbear e achar sua imagem tirando a espuma de barbear.

Trabalhamos sistemas tátil, visual. Discriminação visual, planejamento e organização do comportamento, esquema corporal, integração bilateral, memória, percepção visual, espacial, comunicação e interação.

3. Fazendo milkshake: mixer, água, suco em pó e copos de diferentes tamanhos. Incentivando a autonomia nas atividade de vida diária, as atividades na cozinha são bem interessantes. Neste caso oferecemos a oportunidade de utilizar objetos que vibrem mixer e consistência e textura diversa. Por exemplo ,fazer suco, fazer bolo ou gelatina.

misturando os ingredientes no mixer.

Trabalhamos os sistemas proprioceptivo e tátil, planejamento e organização de comportamento, reações posturais, força, motricidade fina, jogo simbólico.

4. Corrida de bolinas: canudos, bolinhas de papel e fita de dupla face. Faça uma pista de corrida com a dupla face no chão ou na mesa. Proponha uma corrida de bolinha de papel que vocês mesmos vão fazer, com as seguintes regras: não tocar nas bolinha, somente as conduzir assoprando-as, não deixar as bolinhas grudem na fita dupla face. Ganha quem chegar primeiro no final da pista.

Nesta atividade trabalhamos os sistemas tátil, proprioceptivo, discriminação tátil, visual e proprioceptiva, planejamento e organização do comportamento. A motricidade oral, coordenação visumotora e percepção espacial.

6. Bobinho: É uma brincadeira de bola. Os jogadores vão jogando a bola um para o outro, e o objetivo do bobinho é roubar a bola. Se conseguir, quem chutou a bola pela última vez será o novo bobinho. Pode ser brincado com os pés ou com as mãos.

Interação social, planejamento motor nação espacial.

7. Bolinha de gude: Bolinhas coloridas e feitas de vidro, são jogadas num círculo feito no chão de terra pelos meninos. O objetivo é bater na bolinha do adversário e tirá-la de dentro do círculo para ganhar pontos ou a própria bola do colega.

8. Bolinhas de sabão: É muito fácil fazer a alegria da criançada comprada os kits de bolha de sabão. Mas aqui via uma dica para se fazer essa brincadeira de forma bem tradicional. Adquire-se um talo de mamoeiro e corta-se tirando a folha e a parte mais grossa. Faz-se em um copo espuma de sabão, mergulha-se o canudo e me seguida sopra-se bem de leve fazendo-se as bolas que serão soltas no ar.

9. Carneirinho / Carneirão: Brincadeira de roda, onde as crianças cantam em ciranda

10. Carneirinho, carneirão, neirão, neirão, Olhai pro chão, pro chão, pro chão. (Toda a roda obedecendo olha para o céu e para o chão) Manda ao rei de Portugal Para nós nos sentarmos. (Todos se levantam, e, sempre de mãos dadas, girando cantam o estribilho)

Para nós nos ajoelharmos (Todos ajoelham e ajoelhados cantam o estribilho) ou Para nós nos deitarmos (Todos se deitam e deitados, bem espichados de costas no chão, com os pés para o centro da roda, cantam

o estribilho). Para nós nos levantarmos (Na palavra levantarmos, do último verso, duas crianças, levantam-se, e, com ambos os braços bem estendidos, dão as mãos aos que estão deitados e vão se erguendo, um a um. Os que, ao serem erguidos, se conservam, são valentes; os que se dobram, são os mais fracos. A este a vaia dos valentes, e nessa, a conclusão do brinquedo)

10. Adoleta: Várias pessoas formam uma roda. Juntam-se as mãos e vão batendo na mão de cada membro conforme vai passando a música. Bate na mão de sílaba em sílaba, fala uma sílaba e bate na mão do companheiro do lado, fala outra sílaba e o companheiro bate na mão da outra pessoa. Assim por diante. A música vai terminar no “eu”. Quando terminar, a pessoa que recebeu o tapa na mão por último terá que pisar no pé de alguém (cada pessoa do jogo só poderá dar um passo na hora que terminar a música). Se ela conseguir, a pessoa em quem ela pisou é eliminada. Se não conseguir, sai. A música é assim:

Adoleta le peti petecolá, les café com chocolá. Adoleta Puxa o rabo do tatu, quem saiu foi tu, puxa o rabo da panela, quem saiu foi ela, puxa o rabo do pneu, quem saiu fui eu

11. Amarelinha: Essa brincadeira tão tradicional entre as crianças brasileiras também é chamada de maré, sapata, avião, academia, macaca etc. A amarelinha tradicional é desenhada no chão com giz e tem o formato de uma cruz, com um semicírculo em uma das pontas, onde está a palavra céu, lua ou cabeça. Depois vem a casa do inferno (ou pescoço) e a área de descanso, chamada de braços (ou asas), onde é permitido equilibrar-se sobre os dois pés. Por último, a área do corpo (ou quadro)

12. Cinco Marias: Também chamada de Três Marias, jogo do osso, onente, bato, arriós, telhos, chocos, nécara etc. O jogo, de origem pré-histórica, pode ser praticado de diversas maneiras. Uma delas é lançar uma pedra para o alto e, antes que ela caia no chão, pegar outra peça. Depois tentar pegar duas, três, ou mais, ficando com todas as peças na mão. Na antiguidade, os reis praticavam com pepitas de ouro, pedras preciosas, marfim ou âmbar. No Brasil, costuma ser jogado com pedrinhas, sementes ou caroços de frutas, ossos ou saquinhos de pano cheios de areia.

13. Dança da cadeira: Colocam-se cadeiras em círculo, cada participante senta-se, sendo que uma criança é destacada para dirigir o jogo, este deve estar vendado. O dirigente da brincadeira grita: já! Todos levantam e andam em roda das cadeiras. O dirigente retira uma

cadeira. À voz de já!, todos procuram sentar. Quem ficar sem lugar comandará a nova volta. Assim, as cadeiras vão sendo retiradas e o grupo vai diminuindo. Será o vencedor aquele que conseguir sentar na cadeira no último comando. Variante: As cadeiras são dispostas em duas fileiras (de costas uma para a outra). As crianças sentam nas cadeiras e uma fica responsável por ligar e desligar o rádio e também por retirar as cadeiras. Quando o rádio for ligado às crianças circulam pelas cadeiras quando o rádio é desligado as crianças sentam. A cada parada vai sendo retirada uma cadeira. Quem fica sem cadeira cai fora, é considerado vencedor o participante que conseguir sentar 4.Escravos de Jó: Cantiga aparecendo sob a forma de jogo ou passeio (ver esta última modalidade na categoria correspondente). A música é a mesma. Crianças sentadas no chão em círculo ou ao redor de uma mesa; um objeto (pedrinha, caixa de fósforos ou sementes). As crianças vão entoando a cantiga, marcando os tempos fortes; passam o objeto de uma para outra, no sentido dos ponteiros do relógio. Somente na parte onde dizem zique – zá o objeto é passado na direção contrária, retornando-se, logo a seguir, à primeira direção contrária, retornando-se, logo a seguir, à primeira direção. Quem erra cai fora. Os últimos dois serão os vencedores. Música: Escravos de Jó Jogavam Caximbó. Tira, bota. Deixa o Zé Pereira Que se vá. Guerreiros com guerreiros Fazem zigue – zigue zá (repete-se a música até restarem só dois).

15. Morto-vivo: Crianças lado a lado de frente para uma que estará sentada. O que está sentado grita bem alto: Morto para todos se abaixarem e Vivo! para se levantarem. Quem errar, sai da brincadeira. O vencedor é aquele que ficar por último.

Bom era para ser uma ou duas dicas, mas foram surgindo brincadeiras bem legais que não tive coragem de não compartilhar.

Agora não tem desculpa que não sabe o que fazer.

Bora lá brincar e curtir cada momento de interação com os nossos filhos.

Referência:

MOMO, Aline Rodrigues Bueno: Atividades sensoriais: na clínica, na escola , em casa. São Paulo, Memnon edições cientificas, 2012. https://brasileirinhos.wordpress.com/brincadeiras/, acessado em 23 de março de 2019 as 19;00 horas.