• contato@autismos.com.br

Paternidade

Paternidade

 PATERNIDADE
Paternidade, palavra forte!
Paternidade, algo que pode definir muitas coisas, laço sanguíneo por exemplo, que houve sexo entre um casal e resultou num filho(a), que vem responsabilidades pela frente, vem mudanças, etc…
Mas quero falar coisas de dentro do meu coração de pai de 4 filhos,  antes de falar sobre mim como pai.
Mas preciso comentar o que meu pai me ensinou sobre paternidade. Ele me ensinou e viveu sua vida deixando claro que seus filhos eram o que havia de mais precioso na vida dele. E por causa dos filhos ele trabalhou, trabalhou, deu sua vida para dar o melhor para seus filhos.
Sempre caminhou junto. Sempre mostrou que o caráter de uma pessoa é o mais importante.
Meu pai foi exemplo em muitas coisas, hoje já com meus 50 anos entendo que não em todas, pois vejo que todos somos falhos em muitos pontos como pais, ainda que ele nunca disse que era um pai perfeito, isso ficava nas entrelinhas…
E graças a Deus, aprendi por meio de Jesus, que deveria dizer que amava meu pai ainda em vida, precisava verbalizar isso, e sou feliz por ter aprendido isso e ter dito várias vezes a ele antes dele partir, pois acredito que precisamos ter atitudes de amor!
Enquanto filho na maior parte do tempo tentei agradar meu pai e que ele tivesse orgulho de mim.
Papais que estão lendo isso, acreditem, prestem atenção nisso que vou dizer: a grande maioria (ou todos) os filhos buscam em seu pai sua aprovação, sua atenção, seu amor, seu carinho, seu contato fisico, seu olhar, este fato nos traz uma grande responsabilidade.
A paternidade se mostra de muitas maneiras, seja com laços sanguíneos ou não. Ela transcende muitos conceitos e significados.
Paternidade, para mim, tem seu maior vínculo com o amor. É algo divino, o verdadeiro amor é divino, e merece reverência, merece atenção e respeito.
Sou pai de 4 filhos, e cada um é diferente do outro. Sempre ouvi dizer por pais que “tratamos todos filhos de forma igual”, minha experiência de vida me mostrou que não é assim na prática, pois cada filho exige de nós um tipo de atenção, um quer mais colo, outro quer mais brincar, outro gosta mais de conversar, um expressa amor de um jeito outro de outro jeito. Enfim, na paternidade temos que aprendermos a conhecer nossos filhos, identificarmos  a necessidade de cada um conforme vemos eles crescendo.
Ah! Falando nisso, que maravilha ver os filhos crescendo! Que dádiva, lembrar dos primeiros passos, dos primeiros choros,  lembranças e mais lembranças de amor e ternura…
Casei muito cedo, aos 18 anos, e minha amada esposa tinha 14, crescemos juntos com nossos filhos.
 Por isso costumo dizer que eles são meus “professores” e maiores amigos, em quem confio e amo, mesmo conhecendo seus defeitos, pois suas virtudes são muito maiores, e prefiro sempre olhar para as virtudes.
A paternidade nos traz a oportunidade de conhecermos o amor de uma forma diferente.
Amamos aquele “ser” que ainda nem vimos que ainda esta dentro da barriga da mamãe, mas já amamos…
Incrível! Lembro-me de um dos momento especiais da minha vida quando meu filho, Júnior, estava esperando seu primeiro filho, ele me disse:
– Pai, que coisa incrível! É assim mesmo?? Eu nem vi ainda o Heitor e já amo ele demais!”
Isso é paternidade! É colocar as necessidades dos filhos acima das nossas vontades.
Precisamos lembrarmos  que nossa influência vai afetar gerações de nossa família. Gente que nem vamos chegarmos a conhecermos, vão carregar dentro de si algo nosso, e a paternidade nos dá essa oportunidade.
Às vezes me sinto frustrado, triste, por ver muitos pais ignorando esses presentes chamados de “filhos”.
Dando mais atenção para aquilo que é perecível, trabalhando como loucos para dar tudo que existe materialmente falando, mas esquece que o que o filho mais precisa é amor, atenção, bondade, paciência e atenção.
Às vezes gastamos dinheiro com terapias pois, vemos que nosso filho sente insegurança demais, pois saiba que o que mais traz segurança para um filho é ver que seus pais se amam. Sei que a vida é corrida, mas a questão não é quantidade de tempo e sim qualidade. Nada nos impede de darmos um beijo em nossos filhos antes de dormirem todas às noites, ou quando os deixamos na escola, ou em qualquer situação.
Todos temos desculpas para não fazermos o que devemos. Vamos trocá-las por atitudes!
Vamos assumirmos nossa paternidade com toda nossa força e coração.
E vamos nos dar a oportunidade de sermos transformados pelo amor.
Sempre há tempo para mudanças!
Giovani Ferreira
Palestrante e formador voluntário do grupo, pai de Monique, Giovani , Pedro e João, jovem autista e X-Frágil
autismos