Escola Ideal para alunos com autismo leve (S.A.)
Devido as características da pessoa portadora do autismo leve, principalmente da Síndrome de Asperger, o ideal seria termos instituições de ensino que pudessem atender as necessidades plenas desses alunos.
Com o foco em satisfazer plenamente estas particularidades, é importante que todo um conjunto de fatores estejam em funcionamento pleno e eficaz.
A instituição deve apresentar ações contínuas e sucessivas, com a finalidade de assegurar um maior preparo ao portador da Síndrome de Asperger, preparando-o para ser um ser sociável e independente em sua vida.
Dentre estas ações, podemos listar:
– Monitorar;
– Avaliar resultados;
– Rever estratégias;
– Progressos;
– Redefinir condutas;
– Implementar novos recursos e assim sucessivamente.
A instituição de ensino tem como meta as seguintes etapas de avaliação aos seus alunos:
– Sintomas autísticos;
– Habilidades cognitivas e seu desenvolvimento;
– Linguagem;
– Comunicação social;
– Habilidades de autossuficiência pessoal e social;
– Nível intelectual.
Estas etapas são concluídas da seguinte forma:
– Descrição das características de aprendizagem;
– Perfil e ritmo do progresso do estudante;
– Avaliações de resoluções específicas dos problemas de aprendizagem de determinados comportamentos.
Devemos avaliar o contexto escolar, onde deve apresentar:
– Métodos de instrução;
– Qualidade de interações professor-aluno;
– Oportunidades de participação;
– Ritmo de aula;
– Análise das respostas minuciosamente;
– Correção de erros;
– Duração de engajamento do aluno;
– Efetividade da condução dos comportamentos inadequados;
– Evolução dos comportamentos pós sociais;
– Uso de escalas de avaliação na qualidade na sala de aula, temos que ter alguns cuidados a fim de proporcionar um ambiente favorável ao aluno autista, sempre respeitando suas particularidades;
– Suporte visual: imagens claras e diretas de rotinas;
– Modificações de ambiente: prevenir comportamentos antissociais e estimular atividades de compartilhamento;
– Sistemas de reforçamento: recompensas e benefícios;
– Suporte de comunicação: figuras, materiais, cartas, sons do meio ambiente e pinturas categóricas;
– Sessões de múltiplas abordagens: salas especiais, materiais multi sensoriais, etc.
Como toda entidade que se determina a obter êxito num foco, todas partes devem ter o máximo de rendimento, e, para que isso ocorra com precisão, uma escola para Asperges possui uma equipe de avaliação e de apoio. Sendo estas:
– Psicólogo escolar: avaliação cognitiva, comportamental e aspectos da saúde mental;
– Pedagogo especial: condução de testes formais e informais acadêmicos e monitorização da adaptação curricular;
– Fonoaudiólogo: desenvolvimento de intervenções na linguagem em geral, pragmática e aplicada à necessidade social;
– Terapeuta ocupacional/ educador físico: aplicação sensorial, motora e adaptativa a atividades de lazer e recreação.
Professor Prates, Marcos Baptista