Quando o Benício nasceu há 2 anos aconteceu o que acreditávamos que só aconteceria com outras pessoas… “seríamos pais de uma criança especial”

E acabamos descobrindo que aquele filho tão sonhado e desejado teria algumas limitações. Foi um turbilhão de sentimentos que, de um jeito surpreendente, mudou a nossas vidas; mudou tudo em nós como pais. Mudou o nosso olhar, a nossa vida ganhou outro sentido, nossas atitudes passaram a não ser mais as mesmas, pois descobrimos que, apesar de tudo, nos tornamos pais especiais. Descobrimos uma nova vida, um novo mundo. Porque ser mãe do Beny é abrir mão de tudo por ele, trocar de profissão, de emprego, é mudar os sonhos antigos por novos, é refazer a rota. É não nos importarmos com olhares curiosos e com o afastamento social que inevitavelmente ocorre (por conta da órtese ou dele não andar ainda sem apoio). É não nos importamos com a opinião do outro que não nos conhece, não convive e, portanto, não sabe nada sobre preconceito, diferenças. Ser pais do Benício é ter um amor incondicional e sentir orgulho, mesmo quando ele não é o melhor na escola.

E do alto da experiência que adquirimos nesses dois anos sendo pais do Benício, podemos afirmar que ser pais de um filho especial é perceber que antes seu nascimento éramos apenas um rascunho, e Deus, com sua especialidade, passou-nos a limpo, formatou, resolveu, fez-nos melhores. 

Com o Benício vivemos uma luta diária; a melhor luta da nossa vida. Temos que lidar com tantos sentimentos ao mesmo tempo… rotina louca de terapias, trabalho, afazeres de casa, que nem sei bem de que forma consigo dar conta…

Ser pais de uma criança especial é um amor tão intenso, tão consumidor, tão grande… “Deveria existir outro nome para esse amor, pois é muito especial”.

É claro que as lutas desafiam; somos humanos e ficamos exaustos em alguns momentos. Mas estes momentos logo são superados ao ver o Benício se tornando um vencedor nos pequenos detalhes do dia-a-dia.

Somos apaixonados pelo sorriso do nosso filho, pela sua personalidade, seu esforço para fazer o natural e de seu entendimento, mesmo que nem todos compreendam o que ele diz.

Vibramos de emoção quando ele supera algum desafio.