Nós, e o diagnóstico tardio de TEA e apraxia de fala.
A Isabela é uma linda menina de cinco anos, diagnosticada com autismo aos 4, em tempos que o diagnóstico precoce é tão falado. Não houve luto, houve dor e alívio, pois finalmente teríamos um caminho a seguir. Gestação gemelar, pré-eclâmpsia, parto prematuro, aspiração de mecônio, ventilação mecânica (quando o aparelho respira pela pessoa), infecção, edema generalizado, alta de UTI depois de 15 dias, e ufa…vida normal. Até que aos sete meses, a Bela teve 4 convulsões. Nosso primeiro Natal no hospital e começamos a saga de achar um neuropediatra. Saímos do hospital com fenobarbital, eletroencefalogramas normais, tomografia ok, e com um ano do uso, tivemos que aumentar a dose do medicamento. Bem na famosa idade da poda neuronal. Um ano e seis meses e “perdemos” nossa menina. Como a irmã gêmea também não falava palavras, mas aqueles balbucios gostosos não estranhávamos o fato da Bela não falar. Mas estranhamos quando os sons pararam, quando ela ficou alheia, e a resposta que tínhamos do neuro e do pediatra: culpa do fenobarbital. Aos dois anos iniciamos com fono, com diagnóstico de atraso de linguagem. Não vimos grandes avanços, até que com 3 anos e meio, o neuropediatra pediu para avaliarmos com outro fono e nos disse que via Isabela num quadro de apraxia. Na avaliação, saímos com o diagnóstico de autismo e apraxia. Resolvemos consultar em SP, outro neuro, outras perspectivas. Até que ele nos fechou o diagnóstico. Hora de arregaçar as mangas. Tomamos as rédeas do tratamento com muito estudo, com uma linda rede de apoio e resiliência. Hoje, tenho mais coragem e perspicácia para lidar com o tratamento, e com a minha vida de mãe-terapeuta. Temos uma equipe linda e conectada que nos fez ter ganhos palavrinhas muita autonomia no último ano! A montanha-russa que nos encontramos é cheia de gente engajada, não só no autismo, mas na Apraxia, abraçaram duas causas para uma linda menina. Nas subidas e descidas, todos de mãos dadas, sempre acreditando, sempre torcendo…e com lema ” nada é impossível!”