Depoimento da Dra. Maria Inês Queiroga, médica reumatologista, mãe de Lívia Queiroga  e  Guilherme Queiroga 18 anos, integrante da seleção brasileira de Judô para todos,portador de Síndrome de Down. Residem no Rio de Janeiro.

Há 22 anos, com o nascimento da Lívia, deixamos de ser um casal e finalmente nos tornamos uma feliz família.
Porem, não sendo filha única e amando esta condição, fiquei tentando engravidar novamente. Demorou um pouquinho mas engravidei! Tinha 39 anos na época. Fiz todos os exames pré natais e a translucência nucal mostrou-se no limite. Conversamos , eu e Sílvio, e decidimos não dar prosseguimento as investigações, até porque nunca achamos que ira ocorrer nada de diferente conosco…
Então,  dia 26 de fevereiro de 2000 nasceu nosso esperado Guilherme ( a Lívia já havia escolhido o nome do irmãozinho). Me lembro que estava aguardando , já no quarto, a chegada do bebê quando entram a obstetra e a neonatologista e algo titubeantes, me dão a noticia de que Guilherme poderia ter uma síndrome. Teríamos que aguardar avaliação da geneticista e outros exames.
Parecia que havia sido aberto um buraco sob os meus pés… Após a certeza diagnostica e quinze dias de unidade semi-intensa fomos para casa.
Continuei sem achar graça em nada… muitas ligações de amigos e pacientes e embora sabendo estarem todos muito bem intencionados, nada me ajudava e até me irritavam um pouco.Como não sabia por onde começar, resolvi ir a livraria para adquirir melhores informações sobre a Síndrome de Down.
Encontrei vários livros sobre pais e seus filhos.
Li alguns rapidamente e todos os depoimentos eram parecidos. Sentiam- se perdidos inicialmente e foi finalizavam com uma grande alegria e felicidades com seus filhos. 
E foi assim que começamos  a investir nas terapias para para estimular o melhor desenvolvimento do Gui.
Parei de pensar naquilo que ele não conseguiria e foquei nas possibilidades reais.
E assim se passaram os anos… E hoje estamos com um lindo rapaz de 18 anos.
Dificuldade na evolução escolar ( é meio malandrinho em relação aos estudos) mas um grande desportista num geral e especialmente no judô,  que pratica ha 9 anos. 
Somos todos, pais, irmãos , avós,  tios , primos e sobrinhos, muito felizes
Gui é muito carinhosos com os familiares, preocupado com todos, carinhoso, um grande beijoqueiro! 
Ser humano como qualquer outro, com virtudes e defeitos mas principalmente com muita verdade ma expressão dos seus sentimentos.
Aprendemos a valorizar pequenas conquistas e por isso somos mais felizes
Aprendemos que o protótipo ” normal ” não existe e todos tem suas dificuldades.
Especialmente aprendemos que nada na vida pode ser mais importante do que amar incondicionalmente.
Acordar com um beijo, um abraço e um te amo mãe,  te amo pai, não tem preço.
E nos temos esse privilegio, graças à Deus!!!